Terça-feira, 23 de Janeiro de 2018

Buscar  
Politica

Publicada em 01/01/17 as 14:12h - 123 visualizações
Retrospectiva 2016: Lava Jato marca o ano político do Brasil
A Operação Lava Jato teve efeitos decisivos para a história da política brasileira em 2016

Vitalidade | Rádio e TV


 (Foto: Vitalidade | Rádio e TV - Divulgação)

A Operação Lava Jato teve efeitos decisivos para a história da política brasileira em 2016. Confira a retrospectiva dos momentos mais marcantes do ano da maior investigação de crimes de corrupção no país.


Criada em 2014 para ser o que as autoridades chamam de "maior investigação de corrupção e lavagem de dinheiro que o Brasil já teve", a Operação Lava Jato teve um protagonismo especial na política brasileira em 2016. 


Entre impeachment, prisões, críticas, provas e convicções, a investigação conduzida pelo juiz federal Sérgio Moro produziu severas transformações no cenário nacional neste ano. Glorificada nas ruas pelas manifestações que pediram o impedimento de Dilma Rousseff, a Operação Lava Jato, apesar das ações decisivas que aconteceram neste ano, ainda traz suspeitas sobre sua idoneidade em relação ao combate à corrupção e gera incertezas sobre o futuro político brasileiro.   


Condução coercitiva e o vazamento de conversa entre Dilma e Lula Em um dos momentos mais críticos da política brasileira neste ano, o juiz Sérgio Moro divulgou em março conversas telefônicas grampeadas entre o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e a então presidente Dilma Rousseff. 


O vazamento dos grampos aconteceu alguns dias após o ex-presidente Lula ter sofrido condução coercitiva para depor na Polícia Federal no âmbito da quarta fase da Operação Lava Jato. 


"Lamentavelmente, estamos vivendo um processo onde a pirotecnia vale mais do que qualquer coisa. O que vale mais é o show midiático do que a apuração séria e responsável que deve ser feita pela Justiça e pelo Ministério Público", disse Lula na ocasião da condução coercitiva, ação que recebeu amplas críticas da sociedade, apoiadores do PT e da comunidade jurídica.


O vazamento da conversa telefônica entre Lula e Dilma aconteceu logo após a então presidente ter anunciado que Lula assumiria o cargo de ministro da Casa Civil. A decisão foi encarada pelos críticos como uma maneira de proteger o petista das acusações de corrupção garantindo o foro privilegiado. 


"Nós estamos diante de um fato grave, uma agressão não à minha pessoa, mas à cidadania, à democracia e à nossa Constituição", disse Dilma na ocasião. Lula é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões de propina de empresas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, por meio de vantagens indevidas.


Delações da Odebrecht


Tido como um divisor de águas na política brasileira, a delação premiada da construtora Odebrecht foi acordada com mais de 70 executivos e ex-executivos da empresa e registrou o nome de 240 políticos de 22 partidos envolvidos em repasses de propinas da empresa. O acordo da delação premiada prevê uma multa de 6,7 bilhões de reais ao longo de 23 anos, representando a maior indenização paga por uma empresa brasileira envolvida em corrupção. 


O nome do presidente do Brasil, Michel Temer, aparece 43 vezes em documento da delação do ex-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, apontando participação em pagamentos de campanha.No início de dezembro, a empresa divulgou uma nota admitindo ter participado de "práticas impróprias em sua atividade empresarial" e classificou os casos de corrupção de "erro". Os acordos de delação premiada da Odebrecht devem desencadear novas fases da Operação Lava Jato até o ano que vem.    


Gravação de Jucá revela pacto para deter Lava Jato Outro vazamento marcante de grampos foi a conversa entre o ex-ministro do Planejamento, senador licenciado Romero Jucá (PMDB), e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, revelada algumas semanas antes da votação na Câmara sobre a abertura do impeachment contra Dilma Rousseff. 


Sendo um dos maiores articuladores do impeachment contra Dilma, Jucá foi gravado em março dizendo ao ex-presidente da Transpetro que era urgente derrubar a presidenta e substituí-la por Michel Temer para "estancar a sangria" da Lava-Jato. O escândalo reforçou a ideia de que a tentativa de instalar Michel Temer na presidência da República fez parte de um golpe concertado entre o PMDB, o PSDB de Aécio Neves, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e a grande mídia, que, segundo Jucá, só pararia de falar na Lava Jato se Dilma caísse.  


As conversas também comprometem o senador Aécio Neves (PSDB). Em dado momento, Jucá diz que "caiu a ficha de líderes do PSDB" sobre o perigo da continuidade da Lava Jato para quadros do partido. Está "todo mundo na bandeja para ser comido", diz o ministro interino, ao que Machado responde: Aécio será o primeiro.


Eficiência e seletividade


A Operação Lava Jato teve efeitos decisivos para a história da política brasileira em 2016. Este ano marcou o maior número de operações realizadas desde o início das investigações em 2014. Foram 17 fases, 20 denúncias e 500 milhões de reais devolvidos à Petrobras em 2016. No total, a Lava Jato soma 17 operações, 6 prisões em flagrante, 103 mandados de prisão temporária e 79 mandados de prisão preventiva, somando 259 acusados ao todo. 


Os números demonstram eficiência da maior operação de combate à corrupção da história brasileira, porém não poupam a Lava Jato de críticas. No âmbito jurídico, a operação é criticada por muitos advogados que alertam para a violação de direitos e garantias fundamentais dos acusados. Em janeiro, um grupo de mais de cem advogados publicaram uma carta aberta criticando a operação. 


"A execração pública dos réus e a violação às prerrogativas da advocacia, dentre outros graves vícios, estão se consolidando como marca da Lava Jato, com consequências nefastas para o presente e o futuro da justiça criminal brasileira" 


"O menoscabo à presunção de inocência, ao direito de defesa, à garantia da imparcialidade da jurisdição e ao princípio do juízo natural, o desvirtuamento do uso da prisão provisória, o vazamento seletivo de documentos e informações sigilosas, a sonegação de documentos às defesas dos acusados, a execração pública dos réus e a violação às prerrogativas da advocacia, dentre outros graves vícios, estão se consolidando como marca da Lava Jato, com consequências nefastas para o presente e o futuro da justiça criminal brasileira", afirmaram os juristas em carta.


Outro fator preponderante que põe Lava Jato em xeque é o fato de que, apesar das investigações terem alcançado o PSDB, incluindo envolvimento do chanceler brasileiro, José Serra, e o senador Aécio Neves, em esquemas de corrupção, a elite política oposicionista que conduziu o impeachment de Dilma Roussef ainda está longe dos holofotes da grande mídia. 


O grande desafio da Lava Jato para o ano de 2017, portanto, será mostrar que a eficiência das investigações, tidas como as mais importantes do combate á corrupção da história brasileira, respeita os princípios democráticos e direitos garantidos pela Constituição, promovendo a imparcialidade da investigação. 


Caso contrário, os impactantes eventos da Lava Jato em 2016 podem ser registrados como mais uma face das manobras que historicamente defendem determinadas classes políticas brasileiras.


Fonte: Jornal do Brasil




Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Hora Certa
Baixe nosso Aplicativo
Equipe
  • Tony Jose

    Fone:

    Nascido em SobralCE, em 09/05/1975, iniciou os estudos na Escola Profissional São Jose (Mons. Aloysio Pinto) no ano de 1984. Ingressou na radiofonia no ano de 2011 com passagens ...

    veja mais...

Redes Sociais


Publicidade Lateral
Estatísticas
Visitas: 41554 Usuários Online: 37


Chat dos Ouvintes

Digite seu NOME:


Parceiros


Grupo Vitalidade - Associação Beneficente e Cultural Vitalidade
Copyright (c) 2018 - Vitalidade | Rádio e TV - Todos os direitos reservados